:

Alimentos e bebidas influenciam alta de 0,18% no custo de vida do Paulistano em janeiro

abril 29, 2019

De acordo com a FecomercioSP, a elevação do segmento foi de 0,95% no mês e 5,39%

no acumulado do último ano

 

 

A assessoria econômica da FecomercioSP, informou que o custo de vida na região metropolitana de São Paulo subiu principalmente por causa da pressão no segmento de alimentos e bebidas, que possui alta representatividade no orçamento familiar e sazonalmente sofre elevações por conta do clima adverso em itens in natura específicos.

Após encerrar 2018 em alta (3,34%), o custo de vida na região metropolitana de São Paulo voltou a subir em janeiro, 0,18%. No acumulado dos últimos 12 meses, também houve acréscimo de 3,48%. Os dados são da pesquisa Custo de Vida por Classe Social (CVCS), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Entre as nove categorias que compõem o indicador, três sofreram variações negativas em janeiro: vestuário (-0,79%), transporte (-0,35%) e comunicação (-0,10%). Por outro lado, o segmento de alimentos e bebidas foi o principal responsável pela aceleração do custo de vida no primeiro mês do ano, com alta de 0,95%. No dado acumulado dos últimos 12 meses, o segmento apresentou acréscimo de 5,39%, o segundo maior entre todos os demais grupos, perdendo apenas para educação (5,64%).

O segmento de despesas pessoais também influenciou o indicador, com elevação de 0,73%. No acumulado dos últimos 12 meses, apontou alta de 3,53%. Habitação favoreceu a alta do CVCS, com elevação de 0,16% em janeiro. Nos últimos 12 meses, o acréscimo foi de 5,34%.

Na segmentação por renda, as classes A e B foram as que que mais sentiram o aumento dos preços em janeiro, encerrando o mês com altas de 0,27% e 0,24%, respectivamente. As classes D e C foram as que menos sentiram as altas em janeiro, encerrando o mês com variações positivas de 0,14% e 0,11%, respectivamente.

 

IPV 

O Índice de Preços no Varejo (IPV) sofreu queda de 0,17% no mês passado. Contudo, no acumulado dos últimos 12 meses, os preços dos produtos apontaram acréscimo de 1,99%.

Dos oito segmentos que compõem o IPV, quatro encerraram o mês com queda em seus preços médios no comparativo com dezembro: transportes (-1,14%), vestuário (-0,79%), saúde e cuidados pessoais (-0,35%) e habitação (-0,18%).

O segmento de transportes foi o principal responsável pela baixa dos preços em janeiro (-1,14%). Contudo, no acumulado em 12 meses, apontou alta de 0,64%. Destaques para os subgrupos óleo lubrificante (-1,29%), acessórios e peças (-0,72%), pneu (-1,22%), automóvel usado (-1,54%), gasolina (-2,50%), etanol (-1,15%), óleo diesel (-0,54%) e gás veicular (-4,82%).

Por outro lado, o segmento de alimentos e bebidas foi o principal responsável pela pressão de alta no mês (0,89%). No acumulado dos últimos 12 meses, o acréscimo foi de 6,16%. Destaques para os subgrupos cenoura (15,32%), banana-prata (13,47%), cebola (12,9%), abacaxi (11,65%) e feijão-carioca (11,11%).

Na segmentação do IPV por faixa de renda, as classes C e D foram as mais beneficiadas, com recuos de 0,21% e 0,16%, respectivamente. Já na classe A, o decréscimo foi de apenas 0,05%.

Veja também – 

economia paulista crescerá 1,3% em 2019, segundo Seade

COMPARTILHE
OR
checkout@checkoutrh.com.br

11.3259.1969

Redução dos seus custos e aumento da eficiência dos seus colaboradores é o nosso foco, para ajudar a sua empresa a vender mais, todos os dias.

© 2017 Todos os direitos reservados. Densenvolvido por D4G.

Solicite um contato

Varejista

Como prefere o contato?